9.6.11



Porque Quase Tudo Tem Fim...

Abro a caixa e vejo as fotografias
Imagens de nós dois sorrindo e ao fundo aquele jardim do Aterro
O mar, o sol que te fazia fechar os olhos e luzir seus cabelos
Revivo nossas caminhadas pelas ruas frias daquela outra cidade
Chego em nossa casa e todos os cantos lembram de nós
A sala vazia que eu não consigo preencher dos risos e abraços de antes
O tapete com a mancha do café que você derrubou
Os livros que abro e dentro encontro pequenas frases de amor
Grifos verdes florescentes e dedicatórias
Sua mania de me transformar em personagens de poemas.
Me explica porque existe fim
Me explica porque existem caminhos que se separam
Por que fizemos planos se não iríamos seguir
Desfizeram-se todos e eu fiquei parado no meio da nossa casa
Em quais travesseiros você assenta sua cabeça de fios claros ?
Que mares refletem no fundo dos seus olhos castanhos ?
Como chama o seu filho agora ?
Tantas vezes buscamos significados bonitos pro nome de nossa criança
Ontem vi sua melhor amiga e não busquei notícias
É tão dolorido e distante e ainda assim presente
Me explica tantas lembranças
Se um dia viveríamos pra sempre juntos
E agora...Onde está você ?
Repito tantos vazios dentro de mim...
Perdi tantas pessoas que amo...
Sinto falta do meu pai e das conversas na cozinha
E nesse caminho de grandes vácuos
Tenho a impressão que me morro um pouco a cada dia
Não ter você por perto é mais um corte de sonhos que fiz...
Renasço todos os dias como uma criança que ainda busca...
Mas sei que um dia tudo terá fim...
E será só eu sem você...

7 comentários:

@Francisquices disse...

Sabe, a pouco mais de 2 meses que to morando com os meus pais, eu morava com as minhas tias, mas mesmo assim era na mesma cidade, Guaramiranga não é muito grande na sede... Morando com eles eu to mais que bem, acho que algumas mudanças me fizerem ver isso, embora eu sempre tive os dois como pessoas a serem exemplos pra mim, meu pai por ser calmo e centrado e forte e com um carisma com as pessoa, a minha mãe por ser uma pessoa alegre e ta sempre feliz mesmo com as barras da vida... Meus irmãos também, eu fico feliz de ta de volta com eles.

Outro dia eu sai de viajem dessas que eu to indo pra Fortaleza a trabalho em produção cultural e a minha mãe foi comigo ate a parada de ónibus e no caminho me bateu uma emoção que fiquei pensando como eu podi deixar essas coisas acontecer, ficar distante deles assim por um tempo enorme... Acho que voltei a tempo de fazer coisas com eles que eu não tive essa oportunidade antes.

Ana D disse...

Francisco, adorei e me emocionei com suas palavras...Me deu a impressão que meu texto acabou te fazendo pensar em algo muito delicado...Viver os momentos cotidianos com quem amamos...Abs..

Jana disse...

O guria, uma lágrima escorreu aqui no cantinho!

Beijos

Rejane disse...

Ana, coincidentemente todas as vezes que visito seu blog, me vejo diante de um texto que traduz o que estou sentindo naquele momento. Esse bateu de cara na minha "cara" e coração.
Gosto de lê-lo,faz com que fique tudo mais leve...
Ainda bem que sabemos que "um dia tudo terá fim" tb a magoa e a dor de de achar que se perdeu algo...
bj

Cúmplice do Tempo disse...

Retalhos de tempo que ficaram nas coisas que tocaram nossos sentidos... Porque deixar de ser a criança que se contentava com o presente para virar escravo do que nos vai no peito? Ah, coração, não é do teu antigo pulçar que sentes saudades? [ps.: obrigado pelo coment no meu blog ;¬).]

Gi B.H. disse...

Sempre falando de sentimentos de maneira suave, que sorrateiramente toca na alma e deixa a gente meio melancólico.
Sensacional esse seu dom
Beijos

Maíra da Fonseca Ramos disse...

Tão fundo, tão doído... Se foi pra terminar, por que que começou?