12.11.07



Paixão Cega E A Morte Anunciada

Uma poça de sangue vermelho vivo faz um desenho abstrato, metade no chão de tábuas corridas, metade manchando o tapete gasto. A mancha se move lentamente até a porta, como que ainda contendo vida, tornando-se cada vez maior. A angústia da morte muito presente no ar. Nas paredes marcas de mãos arrastadas em desespero, de um corpo que jaz no pátio do prédio e que lutou antes de cair ....( A cena de um crime, um corpo que caiu da janela, após ser ferido, que tentou se manter em pé, apoiando-se nas paredes)

Uma sala mal decorada, pequena, opressiva, com duas colunas mal postas bem no meio do ambiente... Num canto, com rosto alterado, mãos para trás algemadas, um homem jovem olha através da grande vidraça que da para a rua. Pequenos pingos vermelhos caem de suas mãos ensangüentadas. Ele esta estático, como que entorpecido. ( O jovem rapaz criminoso, em choque, já preso pela polícia, olha pela janela e lá em baixo vê a pessoa que assassinou)

Eu sinto o peso da morte e tento escapar pelo pequeno espaço que ficou entre você, eu e a porta. Ouço os gritos, a discussão, o desespero, as acusações...Aperto os olhos, tudo se confunde, os fatos vêm e vão sem ordem.... Me vejo subindo em um só fôlego as escadas em espiral até seu apartamento, abrindo a porta num ímpeto...Me vejo chorando... Sinto uma dor como que se uma faca entrasse em meu peito, caminho, tento alcançar a janela para respirar, já que o ar me falta....Depois escuridão e me sinto flutuar como que numa queda em câmera lenta... ( A alma da jovem assassinada ao sentir o peso da morte escapa do corpo que caí pela janela e retorna a cena do crime . Repassa as cenas de violência, a chegada ao apartamento do namorado, a discussão, as acusações, o crime, a dor que sentiu ao ser ferida)

Volto ao momento em que abro a porta do seu apartamento, mas você já não estava la, tinha passado por mim no corredor, cabeça baixa, enquanto uma pessoa estranha te sussurrava algo que eu não conseguia ouvir... Não tinha me enxergado, possivelmente por estar prestando atenção ao homem. Fiquei parada no meio da sala em desordem, tentando por em ordem meus pensamentos... ( Ainda a alma da jovem morta, vê o rapaz assassino sendo levado pelo policial, sem perceber ainda que não a enxergavam por ela ser um espírito. Ela esta confusa )

Só ao sentir o cheiro de tabaco no ar me lembrei de seus dedos a me tocar o rosto onde escorriam lagrimas de ódio, paixão e desespero...O seu toque era trêmulo, você também havia gritado, chorado, batido os punhos sobre a mesa..Tanta coisa amarga, pesada, trágica haviam sido ditas naquela sala...Tantos rancores e sentimentos mal resolvidos... (A alma pertubada, ainda revendo as cenas que antecederam ao crime)

Eu não lembrava o desfecho daquela tarde escura....Só sei que enquanto chorava por você em meio a desordem do ambiente, junto à janela, no meio dos vidros partidos, te segui com o olhar. E enquanto você entrava naquele carro preto e desaparecia naquele dia cinza, que já se transformava em madrugada, minha alma gelava pela certeza que esta seria a última visão que eu teria de ti...Você partia e eu também... ( Ela ao ser morta "apagou" o momento, revendo apenas de forma desconexa as cenas. Ela acompanha o rapaz entrando no carro de polícia e somente neste momento se dá conta de que estava morta. Que partiria para o além.)

Nota: Se desejarem, me digam , o que se entende deste texto ?
(postagem reeditada)

32 comentários:

Ingrith disse...

que alguém morreu sem morrer? ou não? Ou seriam duas histórias com o mesmo final, alguem morre de verdade e outro morre no coração? Ah eu sou loira releva, vai!

Ana D disse...

rsrsrs...eu adoro toda e qualquer interpretação...é legal ver o que cada pessoa entende...loira esperta rsrs

Ingrith disse...

Sendo assim... fica assim! hahaha

Ana Fernandes disse...

uma moça atordoada vendo o carrasco levar seu amor?

Bill disse...

Pra mim, lembra um sonho ou uma pintura surrealista, talvez um quadro de Salvador Dali. Pintado "à moda da casa" hehehe!!!
Agora, diga-me lá, ó Aninha: tu entendeu porque eu tava tão interessado na tua experiência via net, aquela história de Rio-Curitiba? Sacô agora o motivo de minha REAL curiosidade?
Bjuuusss!!!

O Profeta disse...

Um coração que segue em silêncio
Colinas, cumeeiras, doce aroma de pão
Descanso na paixão, caminho nela
Quantas estações, tem o coração?

Boa semana


Mágico beijo

AnaLua disse...

Foi o amor que morreu?? a paixão?? Ele te matou quando terminou com vc??? menina, não sei, mas está tão lindo de se ler! Beijos!

Márcia(clarinha) disse...

Um sonho cruel, um aviso em forma de pesadelo onde a cabeça deitou num corpo de coração partido?
Sei não Aninha queridíssima, mas achei surreal e triste, isso achei.
dia lindo
beijos

polly disse...

para mim, foi uma paixão q acabou da pior forma possivel...com muito sofrimento, brigas.
muito lindo o seu texto
parabens
bjus

Erika disse...

Parece a morte anunciada...

Maravilhoso o texto.. mas me deu uma agonia no peito.

beijos

Pitanga disse...

Huuum, deixe ver...um filme de Hitchcok? Pega leve que já é uma e meia da manhã e o Tico já foi dormir. hehe

beijinhos

Mônica disse...

uma história de amor SEM final feliz...

não peça demais pq acabei de acordar, ok? rs...

beijos, lindona

Jana disse...

Sendo assim objetiva: Ele a matou, por desespero, ela morreu, mas o espirito atormentado vagava e foi ele que viu o homem partir, e assim, partiu tb...

Numa coisa mais subjetiva, diria que quem vagava perdido naquela casa era o amor...

Agora quero saber o que tu estava querendo dizer quando escreveu rsrsrs

Beijos

Anônimo disse...

Realmente nem toda hist�ria tem final feliz...

Alec disse...

Que triste... Uma história sem final feliz...

Solin disse...

olha, mudei meu endereço de novo: www.debaixo-dos-caracois.blogspot.com

bjus

Solin disse...

Sensacional. Mas assim, o bom de tudo foi que ambos partiram. Imagina se só partisse ele, ela estaria condenada a suportar todas as lembranças.
Indo embora, só uma fonte de nostalgia funciona.
Me seinti lendo uns romances de Kundera, rs.

ps: mandei o selo pra seu hotmail.

bjos tá ;)

Branquinha disse...

Desencontro do amor???
Ai...só sei q isso é muito triste!
Mas nem sempre os finais são felizes né!
bjos

BABI SOLER disse...

Que alguém morreu fisicamente e o outro, por consequência, emocionalmente.
Muito triste e bem escrito!

Bom feriado Ana.

Tathiana disse...

Final triste e mal resolvido de uma história de amor e paixão.
Beijos.

Giu disse...

Uma tempestade de paixão e amor, à espera de um céu azul assim que aberta a janela...
Difícil falar de morte, seja do corpo ou da alma, mas o seu texto, Ana, embora denso, tem fluidez, realidade e coerência.
Beijos meus,
Giulia

Loh_rayne disse...

uma historia sem final feliz ?

asim como todas ;x

Adorei aki
:*

Renata disse...

Que texto triste! Espero que seja só o texto, que pra mim pareceu o fim de um relacionamento daqueles que a gente parece que vai morrer.
Beijo!

Luan Iglesias disse...

Talvez não haja interpretação. O climax pertence as nossas imaginações.

Grande beijo.

Ordisi Raluz disse...

Assassinato do amante em um capítulo, Ana. Ou morrendo, assassinada pelo amante.

O texto confunde, a rota é tortuosa para uma leitura menos demorada, apesar da redação com trechos primorosos.

E eu lá com minhas gotinhas capitulísticas a invejar roteiristas da Rede Blogo, rs.

Beijos capitulados.

Larissa disse...

Um filme noir bem interessante.

Mônica disse...

tem um troço procê lá no pasto...beijos

Sanka disse...

posso só deixar um beijo bem grande? tô azuretada hoje.

=]

beijos!!!

Ludmila Prado disse...

pra mim houve uma morte, a morte mesmo, sangue, a alma foi ambora...

o que confunde é que ao mesmo tempo que parece que alguém morreu (penso em homem) então ele morreu, depois ele está li, saindo da sala, tocando ela...

pra mim foi o seguinte...

ela estava no aprtameto dela...
ouve gritos e um briga no ap ao lado, uma pessoa saiu viva outra morta, ela o amava e a ultima vez que o viu foi indo para o funaral, ela sim estava morta por dentro, nunca + o viria...

Etc e tal disse...

Um sonho daqueles que vc acorda triste...parecendo que está faltando algo, ou que tudo foi verdade, então se sente sozinha.

Camilinha disse...

"... será que um acontecimento não se torna mais importante e carregado de significação se depende de um número maior de acasos?"

Beijos daqui...

Bel disse...

Já li com as explicações... e fica completamente lógico. Sem elas... eu não sei o que pensaria!