3.9.09



O Dia Mais Triste De Todos Os Dias Tristes

Eles se encontraram
Ela com o terninho marrom com a flor lilás na lapela
Ele com o all star preto de sempre
Ele segurou na mão dela, sem entrelaçar os dedos,
mas apenas tocando de leve as pontas.
Sentaram na lanchonete americana
Ela pediu um sanduiche pequeno, tava sem fome
Ele pediu o maior como sempre.
Sentaram
Ela falava, falava, como uma promotora no assassinato do ano
Ele permanecia
Permanecia e só. Como sempre. Calado.
Era ela e a parede da lanchonete americana.
Era ela e a muralha, o coração instransponível
Ela falou como ele era um garoto trancado
Falou como a garota passional que era.
Isto não combinava.
Ela pensava em todos os motivos que o fizeram desistir.
Aquele cabelo arrepiado, a unha lascada, a sobrancelha por fazer
E o bigode chinês !!!
Fora que ultimamente ela ressonava alto enquanto dormia.
Embora ele também tivesse virado um rapaz gorducho, ranhento e sorumbático...
Mas talvez tenha sido somente o desencanto...
A batata frita ficou fria e borrachuda e o refrigerante sem gás
Levantaram e seguiram pela larga avenida.
Agora, cada qual por um lado da calçada.
Seguiu-se o silêncio
Cada qual com seus pensamentos.
A despedida foi quieta
Naquele momento nada mais havia por falar...
Ela pegou na mão dele e disse tchau.
Só que ela pegou na mão dele e entrelaçou os dedos ainda mais uma vez.
Mas disse tchau.
O que mais poderia fazer ?


Se for mais veloz que a luz
Então escapo da tristeza
Deixo toda a dor pra trás
Perdida num planeta abandonado no espaço
E volto sem olhar pra trás
(Paralamas)


9 comentários:

Tony disse...

"Gente bonita", Amy?
eca.

Olá Ana. Pois é, eu parei com aquele meu LOG. Irei criar outro na verdade. Estou muito descontente com o UOL e por isso criarei um novo LOG mas desta vez no blogger como todo mundo. No momento ando mais usando o Twitter (tony_douheret) e com pouco tempo de pensar em algo pra escrever num blog comum. Assim que criar um novo Funcionamento Descontrolado (se este for o novo nome), te aviso ;)

a gente se vê, Ana.

ventania disse...

ritmo suavee agradável.gostei

c. disse...

já diria o meu vinícius que 'a ausência de cores é completa em todos os instantes de separação'. é isso. mas viver continua sendo melhor que ser feliz, não? beijos meus, querida. adoro tuas histórias de amor sem final feliz. o amor romântico é assim.

Wallacy disse...

Quase me vi nesse garoto, por ser muito quieto. Quase, pois estou longe dessa insensibilidade (eu acho). Às vezes é muito difícil demonstrar tudo que sentimos, mas não podemos deixar as chances escaparem por causa disso... curti o seu blog! =D

Marina disse...

Passando para agradecer o comentário no Submarina! É exatamente isso: "Os poetas nem sempre são sonhadores, os sensíveis necessariamente não precisam ser lunáticos"! Muito bom!

É, esse "o de sempre" geralmente resulta num dia triste, talvez o mais triste.... A rotina pode acabar sufocando... Ou a acomodação talvez...

Lindo texto! E a foto é muito fofa!

Beijos!

IARA disse...

Oi ANA!

Texto bom viu!
Sem final feliz. Mas mesmo assim BOM!

O gatinho é "nosso" rs.. É do universo da net, fique a vontade pra "copy/paste" tbm, tá.
Vem ver meus outros gatinhos no blog que posto de uma amiga minha, VEM!
Esse aqui óóó...
http://gabymixstore.blogspot.com/

Thiago disse...

Ana, eu te mandei um email, pra esse email que ta aí no blog, não sei se é esse, foi uma tentativa,mas se puder dar uma olhada e responder :)

e desde já, obrigado!

Loh_rayne disse...

esscreve tão docimente *o*

Etc e tal disse...

Chorei! Porque o fim sempre é triste?